No primeiro dia da festa de Pentecostes, 15 mil pessoas vão a Taguatinga

0
1151

O evento foi realizado na Paróquia São Pedro. A partir do próximo fim de semana, os fiéis se reúnem no Taguaparque

Após entrar na mira da Operação Lava Jato, o padre Moacir Anastácio de Carvalho levou cerca de 15 mil pessoas ao primeiro dia da festa de Pentecostes na Paróquia São Pedro, em Taguatinga Sul, neste domingo (8). Como o espaço dentro da igreja estava lotado, dois telões foram instalados do lado de fora, na rua interditada pelo Detran-DF. Durante quase quatro horas de celebração, os fiéis acompanharam a missa emocionados. Muitos levaram bancos e cadeiras para assistir a pregação.

Mesmo com um problema de degaste da cartilagem do quadril, a técnica em enfermagem Maria Ferreira, 55, saiu de casa, no P Sul, para presenciar o evento. “Tem muitos anos que frequento essa festa. A gente se sente muito bem aqui. Saio daqui fortalecida”, relata. Ela conta que quando começou a sentir as dores no quadril, há três anos, os médicos afirmaram que ela tinha 99% de chance de precisar de cadeira de rodas para se locomover. O tempo passou e Maria anda apenas com o auxílio de uma bengala. Ela atribui a melhora à fé. “A medicina cura, mas a nossa fé também ajuda muito”, acredita.

Para ela, não houve irregularidade na doação feita pela empreiteira OAS à Paróquia São Pedro no valor de R$ 350 mil, intermediados pelo ex-senador Gim Argello (PTB-DF), preso no mês passado durante a 28ª fase da Lava Jato. A igreja também recebeu outros R$ 300 mil da construtora Andrade Gutierrez, por influência do ex-governador do DF Agnelo Queiroz (PT). As doações estão sendo investigadas. “Eu acho que ele é inocente. Tudo o que ele faz é em função da evangelização”, defende Maria.

Padre Moacir 2André Luiz Santos, 35, foi com a noiva, Anne Carolina Martins, 30, prestigiar a celebração. Ele também acredita na inocência de Moacir. “Eu acho que todos são inocentes até que se prove o contrário. A igreja vive de doação e as coisas estão sendo investigadas. Quem somo nós para julgar?”, diz.

Weslley Batista, 25, é vendedor e frequenta a igreja São Pedro há muitos anos. “Isso aqui é muito bom para nós que somos católicos. Nós precisamos de ouvir essas palavras de amor nesses tempos em que tem muita violência no mundo”, opina. Ele também defende a atuação de Moacir à frente da Paróquia São Pedro. “As pessoas têm que ver o que ele faz pela comunidade. Ele ajuda muita gente aqui”, conclui.

A paróquia São Pedro é a que a mais arrecada com dízimos e ofertas na Arquidiocese de Brasília. São cerca de R$ 100 mil mensais. O padre Moacir organiza a maior festa religiosa do Distrito Federal e Entorno. Realizada anualmente, Pentecostes chega a reunir 1 milhão de pessoas nas missas a céu aberto. Além de números astronômicos, a festa sempre foi marcada pela presença de políticos do DF no palco transformado em altar e palanque. No entanto, após a prisão de Gim em abril e a citação de Moacir nos documentos da Lava Jato, nenhum político apareceu no primeiro dia de Pentecostes desse ano.

As programações continuam na igreja, localizada na QSD 28, até quinta-feira (12). A partir de sexta-feira (13), os fiéis passam a se reunir no Taguaparque. O encerramento será no próximo domingo (15).

Fonte: Correio Braziliense