Texto publicado por delegado da PCDF causa mal-estar com a PM

1
480

Policiais militares repudiam acusações do Diretor de Comunicação da Polícia Civil do DF sobre invasão de atribuições da corporação

O conflito perene entre as polícias Civil e Militar ganhou um novo capítulo nos bastidores das duas corporações. Tudo por conta de uma nota publicada pelo delegado de Polícia Civil do Distrito Federal Miguel Lucena no site Diário do Poder. O texto, intitulado “A PM não quer ser mais PM”, acirrou os ânimos e deu origem a notas de repúdio e discussões nas redes sociais.

No texto, Lucena destaca supostas práticas irregulares da Polícia Militar, que estaria invadindo um campo que pertence à Polícia Civil. Em determinado trecho, ele diz que “a PM passou a avançar no território do adversário, cumprindo mandado de busca e passando a lavrar Termo Circunstanciado. Além disso, deslocou uma quantidade enorme de policiais para o que chamam de serviço velado, que nada mais é do que investigação policial”.

MAIS SOBRE O ASSUNTO

Delegado acusa PM de não informar homicídio e atrapalhar investigação

Oficial denuncia que PMs estão proibidos de entrar em delegacias no DF

Delegado chama policiais militares de “milicianos” e aciona MPDFT

Policiais civis pedem investigação sobre vídeo feito por PMs

O texto causou uma grande reação das entidades que representam os policiais militares do Distrito Federal e de Goiás, além da Caixa Beneficente da corporação brasiliense, a Cabe. A PMDF afirma que, “ao tentar denegrir a imagem das polícias militares e de seus profissionais, o delegado demonstra um comportamento que visa tão somente a satisfação de interesses pessoais.”

Para a Associação dos Oficiais da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Goiás (Assof-GO), “e lamentável que um agente público, e ainda mais da área policial, acredite que as reivindicações elas mínimas condições dignas de trabalho e salário, façam parte de um plano orquestrado para enfraquecer a outra instituição policial.”

Nota de Repúdio by Metropoles on Scribd

Nota delegado by Metropoles on Scribd

A Cabe, por sua vez, pontua que “posições destemperadas e com firmes objetivos políticos, como a que o ilustre ‘jornalista’ alimenta, carece de fundamentos jurídicos e conhecimento policial, que são essenciais ao se fazer comentários como os tecidos em sua matéria”.

O outro lado

Em resposta às notas de repúdio, Lucena ressaltou, no site Diário do Poder, que escreveu o artigo não na condição de diretor de Comunicação da PCDF, e sim como jornalista. Na noite de segunda (20), Lucena enviou uma nota ao Metrópoles para comentar o caso. Confira:

“Respondo como cidadão e delegado de carreira, não como servidor comissionado obrigado a fingir. As notas articuladas de entidades diversas reafirmam o propósito das polícias militares de todo o país de avançar sobre as atribuições das polícias civis, a quem manifestam respeito aparente mas não impedem que suas tropas realizem pelas redes sociais campanhas de terra arrasada contra a Polícia Judiciária.

O tratamento mais ameno que policiais militares dão Brasil afora aos policiais civis é o de balconistas, desmerecendo, por má-fé ou ignorância, uma atividade que exige análise, técnica e ciência.

Amesquinham tanto as nossas funções que consideram o capô de uma viatura um espaço digno para a realização de um procedimento que exige formalidades previstas em lei.

Após a sociedade brasileira lutar arduamente pela conquista das liberdades democráticas, solapadas por um regime de exceção, os militares querem levar os civis de volta aos quartéis, onde funcionam como um organismo à parte da sociedade

Se as entidades subscritoras das notas encomendarem uma pesquisa de opinião pública, saberão que a polícia ostensiva sumiu das ruas do Brasil e no Espírito Santo tentou garrotear, intimidar e impor sua vontade às instituições democráticas.

Fingir que está tudo bem, quando se trava uma guerra de bastidores para açambarcar atribuições e até impedir conquistas específicas, imitando o invejoso que prefere perder dois a ver o vizinho ganhar um, é prestar um desserviço à verdade e eu não estou disposto a encenar esse papel.

Miguel Lucena”

Fonte: Metropoles.com

1 COMENTÁRIO

  1. já não basta o governo desmerecer a PM ainda vem um delegado falar asneiras. a Segurança Publica é dever do Estado e por isso todos integrantes são responsaveis. cito um exemplo: estou num determinado local e vejo alguém pronto a cometer um crime o qual já estava sendo procurado. estou lhe vendo mais não posso prendê-lo porque a PC já está investigando. aí informo a PC mais, durante essa informação o suspeito desaparece. e aí, como fica agora? o Policial Militar vai ser acusado de omissão? essa palhaçada tem que acabar. é muita gente querendo se meter onde não deve. as atribuições estão previstas em Lei mais lá não diz que um ou outro Órgão da Segurança Publica está proibido de exercer o poder de intervir em caso de cometimento ou suspeita de crime. nesse caso acho que esse delegado quer jogar uma instituição contra a outra mais vai terminar é sobrando pra ele. quer reclamar? reclame ao governo, a Secretaria de Segurança Publica e/ou aos parlamentares Distritais e não ficar colocando nota em blog social. coisa feia…

DEIXE UMA RESPOSTA