Brasília está à beira de uma operação “tartaruga” graças à politicagem de Rollemberg (I)

10
3303

As promoções do mês de abril da Polícia Militar do Distrito Federal provocaram um intenso sentimento de insatisfação na tropa. Policiais que aguardam a 2ª e a 4ª promoção estão totalmente desmotivados, pois não conseguem ter progressão na carreira. Tal situação chegou aos cabos que aguardam a 2ª promoção em 15 anos de serviço e aos 2º Sargentos que aguardam a 4ª promoção em 23 anos de serviço. Todos sabem que a progressão de carreira para um atingirá indiretamente outros.

Os praças da PMDF questionam o atual modelo e afirmam existirem dois mundos dentro da corporação, pois um oficial com apenas 8 ou 9 anos chega ao posto de Major a 4ª progressão funcional em sua carreira, enquanto um cabo tem que esperar em média 15 anos para ter a 2ª progressão funcional.

A angústia começou quando mais de 1.000 (mil) policiais militares aguardavam a redução de interstício para as promoções do último dia 22, que foi publicado na data de hoje (25/04). Após esta publicação a insatisfação e inconformismo se fez sentir nas viaturas, quartéis e residências dos militares, pois não trazia a redução do interstício.

Todos tem o conhecimento que o GDF economizou R$ 2,1 milhões do Fundo Constitucional com ida de militares para a reserva remunerada. Este valor está calculado no auxílio alimentação, auxílio fardamento e operações militares, que são retirados do contra cheque dos militares que foram para a reserva remunerada. Deste montante seria usado apenas R$ 817 mil do valor economizado pelo governo.

Grupos mais radicais já cogitam deflagrar a operação legalidade (tartaruga), enquanto outros se pronunciam colocando a culpa da não redução do interstício no Chefe da Casa Militar, Coronel Cláudio Ribas.

Comenta-se que se houver redução de interstício isto poderá afetar em um eventual pedido de aumento, pois coronel não tem mais promoção. Verdade ou mentira, culpado ou inocente, o Governador Rodrigo Rollemberg tem que por “ordem na casa”. E logo. Não queremos novamente a operação legalidade do Governo Agnelo, que bem sabemos o estrago que fez.

Por Dr. Guilherme Pontes.

Advogado e Professor de Direito / Blog do Guilherme Pontes

10 COMENTÁRIOS

  1. Vou dar o mesmo tratamento a P que ela me deu…infelizmente quem vai sentir é a sociedade. Rolemberg e o comando da PM conseguiram matar um policial sem dar um tiro…a partir de hoje só espero o tempo passar para ir embora, sem abordar ninguém é claro…

  2. Retira-se sim o auxílio fardamento e o auxílio alimentação mas operações militares? Como seu blog prima pela notícia verdadeira, penso que se equivocou nesse último auxilio.

  3. Caros amigos, que não haveria redução de interstício já era esperado, apenas não houve divulgação para não gerar maiores aborrecimentos entre os colegas de farda.Que possivelmente também não haverá redução para o mês de agosto de 2017 vamos esperar para ver. Não nos resta outra alternativa que não seja continuar nosso trabalho mesmo muito chateados.

    • Sou bombeiro tenho 22 anos de serviço e terceiro sargento, talvez ano que vem eu vá a segundo, ou seja o bombeiro não é essa mãe que espalham por aí

  4. Que texto mais desconexo…
    De onde essa pessoa tirou que um oficial chega ao posto de major com apenas 8 anos de profissão???
    Pelo amor de Deus poliglota, antes de reproduzir textos ridículos como esse, leia-os antes de postar em seu​ blog, para não tonar seu veículo de comunicação um propagador de asneiras inverídicas OK???

    • Verdade Cristiane..está absolutamente correta. Ele talvez tenha se equivocado na patente…se tivesse falado “Capitão” em vez de Major, teria sido perfeita a matéria dele. Mas é assim mesmo, errar é humano, exceto quando há injustiças propositais, né verdade?

DEIXE UMA RESPOSTA