ATENÇÃO: Tentativa de golpe em família de pacientes internados no Hospital Maria Auxiliadora

0
3238
Hospital Maria Auxiliadora no Gama

Um novo golpe que vem crescendo em Brasília e que está nos hospitais da rede pública e privada de Brasília teve sua tentativa frustrada nos últimos dias 04 e 13 de julho passado. Por ironia do destino, a vítima foi a família desse editor que vos escreve, Poliglota.

Internado na UTI do hospital Maria Auxiliadora no Gama no dia 02 passado por conta de um infarto do miocárdio, minha família foi vítima de uma tentativa de golpe.

Uma pessoa, identificando-se como Dr Paulo Pacheco e se dizendo responsável pelo hospital, ligou no dia 13/07 para o telefone de meu cunhado que havia me acompanhado no socorro, informando que eu necessitava de um exame sanguíneo de urgência, constatado após o resultado, uma possibilidade de desenvolvimento de Câncer no sangue (leucemia).

Detalhe importante é que essa pessoa que se passava por médico havia efetuado uma primeira ligação no dia 04/07 para minha esposa não sendo atendido (que infelizmente não foi gravada), e pela segunda vez tentava aplicar o golpe, esquecendo-se da primeira ligação. Desconfiado e já tendo checado toda situação desde a primeira ligação, meu cunhado deu corda ao estelionatário que revelou todos os dados para o depósito do dinheiro cobrado no golpe, no valor de 2.600,00 reais.

DADOS DO PACIENTE

Todos os dados do paciente (que foi informado na primeira ligação) foram informados pelo estelionatário, como o nome completo e até o convênio da PMDF. Ao mantermos contato com o hospital o mesmo informou que isso estava acontecendo constantemente.

Bom que se frise que os dados obtidos pelo golpista só foram passados durante a entrada do paciente e posteriormente só a enfermagem os tinha através do prontuário internado na UTI do hospital. Isso levanta uma suspeita de que haja uma conivência interna de funcionários, o que deve ser investigado imediatamente por parte da direção do hospital.

Fica o alerta aos parentes de pacientes internados no hospital e, em especial, aos policiais e dependentes, pois no momento de angústia e apreensão esse golpe pode surtir efeito e obter êxito, já que o emocional estará completamente abalado.

Ouça o áudio da conversa:

Da redação,

Por Poliglota…