Chances de Frejat chegar ao Buriti aumentam. O povo já fala aos quatro cantos

0
3217

A corrida ao governo do DF, começa a tomar forma e já reúne pelo menos 9 postulantes ao Palácio do Buriti. No entanto, apenas a chapa majoritária, encabeçada por Jofran Frejat (PR), se encontra com os nomes praticamente definidos. Os outros pré-candidatos a governador continuam em dificuldades para montar suas respectivas chapas

Por Toni Duarte – RadarDF

Há  quatro meses para o registro de candidaturas ao processo eleitoral, apenas a chapa majoritária encabeçada por Jofran Frejat (PR), já possui as duas vagas de senador fechadas oficialmente.

A primeira vaga será disputada pelo deputado federal Alberto Fraga (DEM), e a segunda pelo empresário e ex-governador do DF, Paulo Otávio (PP).

O vice de Frejat virá do MDB e deve ser Fernando Leite, indicado pelo presidente do partido, Tadeu Filippelli.

De acordo com todas as pesquisas de intenção de voto realizadas entre o final de 2016 até agora, o médico e ex-secretário de saúde do DF lidera a corrida ao Buriti, deixando todos os pretensos concorrentes na casa de 1 dígito.

Na mais recente coleta de dados, encomendada pelo Podemos, realizada com 4.034 entrevistados no mês de março desse ano, Frejat aparece com 27,1% das intenções de voto – aproximadamente 20 pontos percentuais a mais do que o segundo colocado, o governador Rodrigo Rollemberg (7,1%).

O governador não sabe até agora com quem contaria para montar a sua chapa. A maioria dos partidos que coligaram com o PSB a qual resultou na sua vitória em 2014, abandonaram o barco socialista no final do ano passado.

O PSB corre o risco de não encontrar partidos parceiros com musculatura política e tempo na TV para fazer parte da chapa majoritária encabeçada por Rollemberg e reelegê-lo para um segundo mandato.

Apenas o Podemos, Solidariedade e PV podem formar  aliança com o PSB , mas sem nomes fortes para impulsionar uma chapa majoritária. Há quem diga que o PT pode embarcar na barca furada do governador.

Alírio Neto, que começou como coordenador do grupo de Jofran Frejat, a convite do deputado Alberto Fraga, se distanciou logo que se tornou presidente do PTB.

Inflado pelo ex-governador José Roberto Arruda, que prometeu ajuda eleitoral, o ex-distrital se colocou como pré-candidato a governador.

O recuo de Arruda fez Alírio tentar uma aliança com o grupo das “madalenas arrependidas”, que reúne o PSD, PPS, PRB e PSDB.

Não se tem informações quais os nomes que comporiam com Alírio na formação da chapa para disputar o Buriti, já que dentro do mesmo grupo se encontra o deputado federal Izalci Lucas, presidente do PSDB-DF.

Izalci  diz  que não abrirá  mão de sua pré-candidatura a governador por ter feito um compromisso com a direção nacional do PSDB  para dar palanque ao presidenciável Geraldo Alckmin no DF.

O presidente da Câmara Legislativa, Joe Valle, ainda pode mudar de opção. A princípio ele é o candidato oficial a governador do DF pelo PDT que tem Ciro Gomes como pré-candidato à Presidência da República.

O partido no DF, segundo a direção nacional, está livre para compor com qualquer chapa. No entanto, seguidores de Joe torcem para que ele saia para deputado federal e se preparar melhor para vôos mais altos em 2022.

Joe Valle pode definir o seu rumo político eleitoral  até junho quando abrir o prazo para registro de candidaturas.

O vai-e-vem de Eliana Pedrosa (PROS), pode tirá-la da política mais uma vez como ocorreu em 2014.

A ex-deputada distrital que seria eleita esse ano folgadamente para uma das oito cadeiras de deputado federal pelo DF,  corre o risco de  não decolar com a sua candidatura a governadora.

O PROS  faz parte da base do pior governo da história de Brasília.

Uma banda dos candidatos do PROS apoiará o senador Hélio José que é pré-candidato a deputado federal.

A outra parte apoiará a reeleição de Rodrigo Rollemberg, a exemplo da deputada distrital Telma Rufino, presidente do partido no DF.

Pedrosa fez uma opção sem volta. No PROS ela foi obrigada a assinar um documento se comprometendo a  não concorrer como deputada federal e nem a distrital. A exigência foi feita à direção nacional do partido por Hélio José.

Diante das dificuldades, a ex-distrital até que tentou retornar à coligação encabeçada por Jofran Frejat, para ser vice dele ou disputar uma das vagas de senador. Não logrou êxito, foi  preterida.

E a família Roriz? Bom: O clã acredita que pode eleger todos os postes da família.

Café da manhã sem definição. Foto: Divulgação internet

Ontem (10) aconteceu um café da manhã seguido de uma reunião na sede do PTB-DF com a presença dos presidentes dos partidos  PSD, PSDB, PRB, PSC, DC, PMN, PATRIOTAS, PTB, PPL e PPS. Muita discussão e nada definido, apesar do grupo tentar mostrar união. A questão esbarra no fato de quem será o cabeça de chapa e o vice já que, ao que parece, Rosso e Cristovam deverão ser os postulantes das cadeiras do senado federal.