Novinhas, viaturas da PMDF têm cubículos que mal cabem dois presos

0
1607

Fonte: Metropoles.com

Alvos da Operação Mamon, novas ASX são reprovadas pelo Conselho de Direitos Humanos, que vai acionar TCDF para questionar celas de detentos

A Polícia Militar recebeu um reforço na frota no dia 20 de abril deste ano. São 299 utilitários modelo ASX, da Mitsubishi, que custaram R$ 37 milhões. No entanto, o que chamou atenção é o tamanho do cubículo reservado ao transporte de presos. Enquanto nos veículos antigos cabem até quatro detentos, os novos comportam apenas apenas dois. Assim mesmo, se forem mais gordinhos, ficam apertados.

Ao lado das celas instaladas nas novas viaturas cabe até um pneu extra. De acordo com o edital de licitação, o cubículo deve ser colocado no bagageiro de forma que promova “total isolamento do compartimento de passageiros e proteja integralmente os vidros e demais peças originais do veículo contra eventuais atos de vandalismo promovidos pela pessoa a ser conduzida”.

MAIS SOBRE O ASSUNTO

Polícia Militar receberá 299 novas viaturas até junho. Veja fotos

TCDF investiga contrato de R$ 20 mi da PM autorizado por coronel preso

Acusado de fraudar licitações da PMDF, coronel Feitosa é solto

Coronel suspeito de corrupção recebe contracheque de R$ 539 mil da PM

PM: falta de manutenção em rádios afeta atendimento de ocorrências

As especificações são determinadas pela Lei 8.653/93. A norma determina, ainda, que o local tenha ventilação e iluminação natural.

 

1/3 Utilitários modelo ASX, da Mitsubishi Reprodução

 

2/3 Foram adquiridas 299 unidades

3/3 Cubículo tem capacidade de transportar duas pessoas, segundo a PM

Embora a PM garanta que os novos compartimentos estejam dentro dos padrões legais, o presidente do Conselho de Direitos Humanos do Distrito Federal, Michel Platini, afirma que o transporte no porta-malas das novas viaturas “atenta contra a dignidade de qualquer ser humano, independentemente da faixa etária”.

Ele explica que a prática já é condenada pelos organismos de Direitos Humanos internacionais e implica em risco à integridade física e mental dos detidos. “Em caso de capotamento de viatura policial que transporta presos na ‘gaiola’, quais as consequências para os eventuais detentos amontoados? Certamente não terão a mesma segurança de passageiros que usam cinto de segurança”, destacou.

Platini prometeu denunciar o caso ao Tribunal de Contas do Distrito Federal (TCDF). “Como o governo utiliza dinheiro público para adquirir algo que não atende os preceitos legais? Usa recursos que ajudam a naturalizar e oficializar a violação dos direitos humanos”, criticou.

O defensor dos direitos humanos lembra, ainda que, nos Estados Unidos, os policiais utilizam a parte interna do veículo, que é separada. Lá os presos não têm acesso à parte da frente da viatura, o que garante a integridade dos agentes de segurança.

“É um compartimento fechado e climatizado, sendo os presos conduzidos com algemas e não tendo acesso à maçaneta da porta, que só abre pela parte externa ou por um botão acionado pelo motorista. As janelas possuem grades de proteção e os vidros ainda são reforçados. Podem ser transportados de dois a três presos sentados”, compara.

Questionada, a Polícia Militar explicou que o cubículo instalado obedece a legislação e confirmou que o espaço comporta até duas pessoas adultas. “O compartimento tem capacidade para 380 litros. Ressalta-se que este transporte deve ser feito de forma a assegurar o respeito à integridade moral e física dos detidos”, diz a nota encaminhada pela corporação. A efeito de comparação, as Pajeros que já são usadas pela corporação têm porta-malas de 500 litros, e abrigam até quatro pessoas.

Alvo de investigação

De acordo com o contrato inicial, cada viatura custou R$ 124,3 mil. O negócio foi questionado e colocado no centro do escândalo investigado pela Operação Mamon, deflagrada em novembro do ano passado pelo Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT).

Promotores da Justiça Militar (PJM), do Centro de Informações (CI) e do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) suspeitam que a licitação para a compra das ASX Mitsubishi pode ter sido direcionada. Além disso, investigam suposto pagamento de propinas em troca do pagamento das notas de serviço.

O coronel Francisco Feitosa foi um dos alvos da Operação Mamon

Outro contrato na mira da operação é o de compra de rádios para as viaturas adquiridas no final de 2016 e entregues em agosto do ano passado pela corporação. Cada equipamento custou R$ 6,6 mil e as unidades chegaram a ser reprovadas por um especialista, que acabou afastado do cargo.

As apurações — feitas com a colaboração da Corregedoria da PMDF — também identificaram, entre outros crimes, que responsáveis pelos pagamentos no Departamento de Logística e Finanças (DLF) da PM faziam “vista grossa” para um esquema que envolvia a manutenção das viaturas modelo Pajero. Peças dos veículos, que deveriam ser trocadas, jamais eram substituídas, apesar de os pagamentos serem feitos.

Durante a primeira fase da ação, o coronel Francisco Feitosa, então chefe do DLF, foi preso. Os promotores cumpriram mandado de busca e apreensão na residência dele, em Vicente Pires. O oficial é suspeito de exigir propina para a liberação dos valores devidos pela corporação aos serviços prestados por empresários.

Feitosa ganhou a liberdade provisória em janeiro deste ano. Ele também conseguiu ser aposentado e transferido para a reserva remunerada com o salário de R$ 17,6 mil.

Dezenas de documentos relacionados aos contratos de manutenção, computadores e pendrives foram apreendidos pelos promotores durante a operação. Existem indícios de que o esquema teria se perpetuado nos últimos cinco anos, sempre beneficiando oficiais do DLF.