Senador PSBedista propõe desarmar a polícia para “proteger vidas”

0
427
Senador Antonio Carlos Valadares (PSB-SE)

Por Poliglota…

Esdrúxulo, idiota e bestial um projeto desse apresentado por um senador da república, disse o deputado Alberto Fraga (DEM-DF) em vídeo

Nem bem deu tempo de assimilar as patacadas da Globo, eis que surge agora uma a nível parlamentar, vindo diretamente da Casa Legislativa responsável pela preposição de Leis, o senado federal.

O senador Antonio Carlos Valadares (PSB-SE) apresentou a Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) um substitutivo ao PLS 190/2014 do ex-senador Marcelo Crivella (hoje prefeito do Rio de Janeiro) com o objetivo de “disciplinar” o uso da força por agentes de segurança.

Em outras palavras, o senador acha que a polícia deve estar desarmada ou utilizar do armamento somente em casos extremos. No entanto, isso já é praxe desde os primórdios dos ensinamentos e técnicas administradas nos cursos de formação. Talvez o senador não tenha conhecimento disso nos seus afazeres de dentro de seu gabinete.

Provavelmente motivado pelo ultimo acontecimento envolvendo um marginal que tentou assaltar mães de alunos, na presença de crianças e armado com um revólver calibre 0.38, o senador se empolgou. A consequência do ato do marginal foi a sua neutralização com o uso proporcional da força onde foi alvejado por uma policial feminina e veio à óbito.

Indignação

O deputado Alberto Fraga (DEM-DF), que é policial militar, atropelou o colega parlamentar pela apresentação da proposta: “Temos uma média de 1 policial assassinado por dia no Brasil e aí me vem uma idéia esdrúxula e idiota de um senador da república querendo desarmar a polícia? Eu acho que ele deve estar morando na Suiça. Isso é de uma bestialidade tão grande que não tem o que falar. Só garanto que aqui na Câmara esse projeto não prosperará”, disse Fraga.

Se continuar assim, vai virar moda. A preocupação é defender vagabundos e inverter valores e, nesse quesito, não tenho dúvidas de que a sociedade jamais compactuará. Já nasce natimorto um substitutivo desses.