Apelidado de ‘PC Farias’, Marcelo Nóbrega pode ser uma dinamite na cadeira do governador

0
267
Foto: Reprodução internet

Por Fred Lima 

O homem honesto é cauteloso em suas amizades, mas o caminho dos ímpios o leva a perder-se. (Pv 12:26)

O texto bíblico é uma clara referência ao governador do DF, Rodrigo Rollemberg (PSB), que viu o seu governo cair na vala comum da suspeição na manhã desta terça-feira (07/8), após a Operação 12:26, da Polícia Civil. Batizada de “Mãos Limpas”, a coligação de reeleição do chefe do Buriti foi lançada ontem (6), utilizando o marketing puritano de governo ético e ficha limpa. Com a 12:26, o tiro saiu pela culatra.

Não é a primeira vez que escândalos de corrupção estouram na gestão socialista. Além das operações da PCDF em março deste ano na Secretaria de Mobilidade Urbana, a Secretaria de Saúde foi a maior de todas as suspeitas de malfeitos na atual administração, quando culminou na CPI da Saúde. E mais uma vez, Marcelo Nóbrega, homem de confiança do governador e da primeira-dama, Márcia Rollemberg, acaba sendo um dos alvos da polícia.

Alguma coisa estranha se passa com Marcelo, tanto na Secretaria de Saúde quanto na Casa Civil. Não seria ele o ímpio que estaria levando o governador à perdição? No meio político, alguns se referem ao assessor especial como o “PC Farias da família Rollemberg”, que atua nos bastidores em defesa de interesses escusos.

Foi-se o discurso da ética governamental. Três suspeitas colocam em xeque o marketing eleitoral criado pela campanha do governador: a CPI da Saúde, a lista da JBS e a 12:26.

Da Redação – Blogdofredlima