“Ninguém chuta cachorro morto”, diz Fraga em resposta a acusação de lavagem de dinheiro

0
195
Fraga: "Ninguém chuta cachorro morto"

Por Poliglota…

“Definitivamente, está claro que de alguma forma existe um conluio nos bastidores envolvendo diversos segmentos e pessoas para não permitir que os adversários do atual governo sigam em frente em suas campanhas” (Fraga)

O fato de ter um servidor lotado em seu gabinete e que, supostamente, está sendo investigado por ser acusado de receber recursos de verbas parlamentares para empresas de publicidade ligadas a ele, deu margem ao falido Correio Braziliense de, tendenciosamente, tentar ligar o candidato ao Buriti Alberto Fraga (DEM) aos fatos.

Não é a primeira vez que o CB entra de gaiato em temas polêmicos demonstrando claramente sua preferência política. Recentemente o jornal encomendou uma pesquisa onde, pasmem, o rejeitado governador Rollemberg (+ de 56%) aparecia em primeiro lugar.

Para Fraga, isso não passa de mais uma demonstração de desespero de Rollemberg que tem certeza absoluta de que não passará sequer do primeiro turno. “Estamos crescendo nas pesquisas e isso observamos no dia-a-dia no contato com o eleitor. Claro que isso incomoda ou você já viu alguém chutar cachorro morto”, ironizou Fraga.

Em um vídeo durante um evento o candidato desabafou. Assista.

Segundo o candidato, ao tomar conhecimento da matéria imediatamente entrou em contato com o delegado Fernando Cesar Costa, coordenador da Cecor (Coordenação de Combate ao Crime Organizado, aos Crimes contra a Administração Pública e contra a Ordem Tributária da Polícia Civil do DF) que afirmou não existir nenhuma investigação contra o parlamentar e que apenas as empresas e os sócios são alvos do inquérito.

Mais uma vez Fraga repudia atos covardes que estão sendo praticados contra ele e afirmou que jamais compactuaria com qualquer ato ilícito. Os atos de contratação de empresa de publicidade pelo gabinete seguem rigidamente o previsto em Lei pertinente e que a empresa Atos Dois é contratada pelo gabinete de 11 deputados federais de acordo com a legislação que regulamenta o uso de verba indenizatória. Todos os serviços prestados são comprovados através de notas fiscais emitidas pela empresa.

O parlamentar classificou a operação desta quinta-feira como “uma ação política do governador Rodrigo Rollemberg”.