O poder econômico mandando nas eleições. Mas para o TRE não é bem assim

0
601

JUSTIÇA SENDO FEITA: INTERVENÇÃO NA RÁDIO ATIVIDADE DE VIGÃO

Por Mino Pedrosa

As milionárias campanhas de Ibaneis Rocha (MDB-DF), Paula Belmonte (PPS-DF) e outros que até ontem eram desconhecidos, sofreram a primeira baixa. Por volta das 19:00Hs, a Rádio Atividade recebeu um oficial de justiça acompanhado de policiais, a mando do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), para constatar em loco o abuso de poder econômico e exposição de candidatos  na grade da rádio em desacordo com a legislação eleitoral.

A rádio que fez contratos de gavetas com recebimento adiantado de valores não contabilizados nas campanhas eleitorais sofreu intervenção proibindo a exposição de candidatos em programa da rádio. No momento da fiscalização foi flagrado o candidato a Câmara Distrital, Dedé Roriz que foi retirado de dentro do estúdio enquanto gravava uma participação ao vivo em programa noturno. O oficial de justiça com apoio da polícia notificou a rádio e proibiu a participação de qualquer candidato em programas.

Acontece que Wigberto Tartuce “O Vigão” já recebeu a bolada adiantado e não irá devolver aos candidatos. A ilegalidade nos pagamentos feitos pelos candidatos para participar dos programas na rádio por meio de caixa 2 não permite que reclamem da dinheirama paga para Vigão. O TRE fará um levantamento do custo comercial da rádio usada pelos postulantes nas prestações de contas que deverá ter registrado os valores pagos nas exposições e será comparado pelo tempo cobrado na rádio em forma de comercial.

A nova legislação limita os gastos para os políticos e se a soma exceder o valor estipulado o candidato poderá sofrer impugnação de sua candidatura. Mesmo com a nova legislação os candidatos milionários compram apoio explicitamente. O flagrante está no TRE, a exemplo da candidata Paula Belmonte que disputa uma vaga na Câmara Federal e pagou R$ 155.000,00 por meio de seu marido Luis Felipe Belmonte dos Santos, para ter o apoio de Jaqueline Silva (PTB-DF), que disputa uma vaga na CLDF.

Para quem pensava que o TRE, estava com os olhos vendados para os crimes eleitorais, ledo engano. Poderá ter vencedor  punido até com a não diplomação em caso de vitória.

E bom que saibam que o eleitorado não é mais o mesmo de antigamente. Estão ligados em tudo, onde a informação é passada online pela mídia independente, considerados os “marrons” pelos vilões das publicidades.