Sob suposta influência de Rollemberg, Globo tenta confundir o eleitorado

0
449

A participação de Ibaneis Rocha (MDB), no DFTV na noite desta terça-feira (16/10),  foi informativa e dura contra a tentativa da emissora de confundir o eleitorado brasiliense nesses 12 dias que faltam para o segundo turno. Ibaneis lidera a corrida pelo Buriti com 75,3% dos votos válidos, segundo levantamento do Instituto Opinião Política, encomendado pelo jornal Correio Braziliense, enquanto o seu adversário Rollemberg aparece com 24,7%

Por Toni Duarte//RADAR-DF

A doze dias da eleição do segundo turno, o pior governador da história de Brasília, Rodrigo Rollemberg (PSB), usa o poder de influência e da máquina  sobre a TV globo, que recebe milhões do dinheiro público, a partir de repasse desproporcional de publicidade, na tentativa de confundir a cabeça do eleitor.

Pelo menos foi isso que transpareceu com os insistentes questionamentos feitos pelo apresentador do DFTV 2º edição, da TV Globo Brasília, Antonio de Castro sobre precatórios durante a entrevista de 15 minutos com o ex-presidente da OAB, Ibaneis Rocha.

O apresentador questionou se Ibaneis não estaria defendendo o seu interesse pessoal, caso se eleja governador, ao prometer construir creches e escolas com os honorários referentes as causas ganhas na justiça contra o GDF.

Ibaneis disse que a Constituição Federal, no seu artigo 100, fixa prazo para pagamento de precatórios dos Estados, da União e do Distrito Federal, os quais terão que ser pagos até 2024. Afirmou ainda que os precatórios são pagos pelo Judiciário e não pelo Executivo.

Ibaneis afirmou que mesmo ele sendo governador eleito do DF não tem a capacidade e nem o condão de impedir que o Estado pague as suas  dívidas, cujos processos sejam transitados em julgado pela justiça.

“Que fique bem claro: os honorários que tenho direito sobre os processos de precatórios, se for eleito governador, eu irei usar esse dinheiro na construção de escolas e creches. Estou muito tranquilo quanto a isso”, afirmou.

O apresentador da TV Globo, insistiu que a dívida do GDF em precatórios chega em torno de 1 bilhão de reais e que os adversários dizem (subtende-se Rollemberg) que Ibaneis tem direito a R$300 milhões, um terço da dívida.

O buritizável esclareceu que esse montante pertence aos clientes que entraram na justiça porque os inúmeros governos deixaram de pagar horas extras,  licença prêmio e ticket alimentação dos servidores.

“Os servidores entraram na justiça, por meio de seus sindicatos, para obrigar o GDF pagar o que deve. Meus honorário que ganhei, como advogado, que  corresponde  10% de sucumbência, irei usar na construção de creches e escolas para o povo. Não vejo nenhuma irregularidade nessa minha atitude”, enfatizou.

Por fim, o emedebista pediu ao apresentador Antonio de Castro que não confundisse o eleitor.

“Espero que não se confunda a população sobre um ambiente que não existe. Estou abrindo mão por que eu quero. Não existe nada de ilegal ou imoral nisso. Pagar precatórios por determinação judicial é uma prioridade porque determinação da justiça se cumpri. Conheço a legislação eleitoral e não há crime”, disse.