Jorge Viana detona projeto de Ibaneis, mas não abre mão da “boquinha”

0
577
Deputado Distrital Jorge Viana

O governador Ibaneis já sabe que não pode contar com o voto do deputado governista Jorge Viana (Podemos), para ajudar a aprovar o pacote emergencial voltado para a saúde. As medidas serão colocadas a apreciação do Plenário da Câmara Legislativa nesta quinta-feira (24/01), convocada extraordinariamente pelo presidente Rafael Prudente (MDB)

Por Toni Duarte//RADAR-DF

Faltando um dia para que o Projeto 001/2019 seja apreciado pelos 24 deputados distritais, convocados extraordinariamente para votar a proposta que estende o modelo do Instituto Hospital de Base do DF, o governador Ibaneis Rocha já sabe quem pode ajudar ou não na Câmara Legislativa a tirar a saúde do caos.

A medida facilita para que o governo compre medicamentos e insumos com mais rapidez; convoque concursados; contrate novos servidores e estenda a jornada de trabalho.

O distrital Jorge Viana, que segundo fontes do Palácio do Buriti controla de porteira fechada a Administração Regional de Samambaia e tem ainda cargos na Diretoria de Enfermagem e Complexo Regulador da Secretaria de Saúde, se declarou contra a proposta do Governo.

O presidente do Sindicato dos Médicos Gutemberg Fialho (PR), que também, segundo as mesmas fontes do Buriti controla a metade dos cargos da Subsecretaria de Atenção à Saúde, também sapecou os pés contra o aumento da jornada de trabalho dos médicos neste momento que a população padece nas portas dos hospitais.

“É impossível se votar um projeto dessa magnitude, em 48 horas”, disse o presidente do Sindmédico sem se importar com a situação de milhares de pessoas (a maioria pobres) que sofrem nas portas dos hospitais do DF por falta de atendimento.

A situação do Hospital do Gama, Taguatinga e de Santa Maria é de calamidade pública. No entanto, a turma corporativista sindical da saúde demonstra não está nem aí.

Enquanto deputados brigam com Ibaneis, o povo é que se lasca nas portas dos hospitais.

Durante reunião organizada pelo Sindicato dos Auxiliares e Técnicos em Enfermagem do DF (SINDATE-DF), ocorrida nesta terça-feira (23), no Clube dos Servidores, Viana fez um discurso inflamado contra o governo por tentar mudar um sistema velho e viciado como forma de melhorar a saúde do povo.

Como presidente da Comissão de Educação, Saúde e Cultura (CESC) da Câmara, o distrital ameaçou boicotar os projetos do Executivo, caso as propostas de Ibaneis sejam aprovadas.

O distrital de primeiro mandato convocou os presentes para pressionar os deputados durante a votação.

O governista se uniu aos opositores Chico Vigilante (PT), Arlete Sampaio (PT), Julia Lucy (NOVO), Leandro Grass (REDE) e Fábio Félix (PSOL).

Visão do Editor Radar

O governador Ibaneis resolveu cumprir a promessa de que a saúde teria total atenção em sua gestão. Colocou como prioridade zero e botou quente para fazer virar realidade o programa SOS/Saúde.

Ibaneis apresentou um projeto para expandir o modelo do Instituto Hospital de Base para o restante  da rede, mais diante da negociação com os deputados distritais ele fez modificações no texto original da proposta.

A princípio, o novo formato não será estendido a todo o sistema de saúde. Ficará limitado ao Hospital Regional de Santa Maria e às Unidades de Pronto Atendimento (UPAs).

Também estão incluídos o Hospital Materno-Infantil de Brasília (HMIB) e o Hospital Regional de Taguatinga (HRT).

Por trás da reação de alguns sindicalistas têm interesses e lobby a perder de vista.

É de conhecimento público que boa parte dos sindicalistas que vive reclamando a convocação de concursados tem relações mascaradas com cursinhos preparatórios.

A área de enfermagem é a que mais se beneficia dessa articulação. Alguns dos nomes ventilados são diretamente envolvidos com o movimento de pressão contra as medidas de Ibaneis que tem o objetivo de acabar com as filas nos hospitais.

Não é possível que o Ministério Público do Distrito Federal não veja ou não saiba da imoralidade praticada por alguns  agentes públicos com cursinhos preparatórios e depois fazem o lobby para contratar seus concursados.

Não há dúvidas que alguns parlamentares irão espernear dentro da CLDF contra o pacote do Executivo. Mas, no caso da saúde, será um tiro no pé. A população espera ansiosa e apoia essa medida.

É a chance do cidadão comum que procura os hospitais públicos ter o direito ao atendimento rápido e eficaz.

Isso é mais forte que qualquer ideologia ou interesse pessoal deste ou daquele deputado.

É preciso um governador de coragem e que pense no povo e de parlamentares com o mesmo espírito de servir. Mesmo que isso signifique “cortar na própria carne”.