Policiais Civis e Militares do DF podem não ter reajuste salarial desejado

0
2121

O governador Ibaneis Rocha cumpriu com a promessa, mas o governo federal pode “roer a corda” e não dar os 37% de aumento salarial para a Polícia Civil que luta pela equiparação salarial com os vencimentos da Polícia Federal. A PMDF e Bombeiros também exigem o mesmo percentual. Bolsonaro mandou a turma falar com o ministro da economia Paulo Guedes que não mostrou firmeza se vai atender as reivindicações das forças de segurança do DF

Por Poliglota via//RADAR-DF

Nos quatro anos do governo Rollemberg, a Polícia Civil do Distrito Federal protestou, cruzou os braços, fechou delegacias e inflou dois bonecos apelidado de “Enrollemberg”, caricatura gigante que associava o ex-governador ao personagem Pinóquio.

Além disso o sindicato da categoria apresentou ainda o “Criminômetro”, um placar eletrônico que contabiliza o número de crimes durante a gestão socialista.

Uma das broncas dos policiais civis contra o governo Rollemberg era de não ter o apoio governamental para reconquistar a paridade salarial com a Polícia Federal.

Antes de ser eleito em 2015, o então governador fez juras e assegurou aos policiais civis que a paridade dos vencimentos com a Polícia Federal seria mantida.

A quebra desse direito, no entanto, os servidores da PCDF amargaram nove anos de estagnação salarial.

Na terça-feira (26) da semana passada o governador Ibaneis fez diferente de Rollemberg. O emedebista entregou ao ministro da Economia Paulo Guedes, a proposta de paridade salarial da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) com a Polícia Federal (PF).

Também acompanharam o governador, o secretário de Fazenda, Planejamento, Orçamento e Gestão do DF, André Clemente e o diretor da PCDF, Robson Cândido. Anunciado em 19 de fevereiro, o reajuste foi votado e aprovado pela categoria no dia seguinte.

O ministro Paulo Guedes não sinalizou de que iria assinar a proposta diante da conta salgada para o governo da União.

Para que a proposta entre em vigor, a Presidência da República terá que enviar ao Congresso Nacional, por meio de medida provisória para ser submetida à aprovação da Câmara dos Deputados e do Senado.

A Policia Militar e o Corpo de Bombeiros também querem o mesmo aumento de 37%. A confusão está formada novamente e foi cair no colo do governo Bolsonaro.

Uma coisa ficou clara: A Policia Civil não pode acusar o governador Ibaneis de não ter cumprido a promessa que deixou de ser cumprida pelo antecessor Rodrigo Rollemberg.