Motorista que atropelou adolescentes é solto. Família pede justiça

0
186

Condutor apresentava sinais de embriaguez e dirigia em alta velocidade. Uma das vítimas teve o pé amputado

Detido com sinais de embriaguez ao atropelar três adolescentes em Ceilândia, na noite da última sexta-feira (03/05/2019), o motorista José Joaquim Portela, 62 anos, foi liberado pela Justiça na tarde deste sábado (04/05/2019).

De acordo com informações da Polícia Civil, além de ter se recusado a fazer o teste do bafômetro e apresentar diversos indícios de consumo de álcool, Portela conduzia em alta velocidade quando invadiu a contramão, subiu na calçada e atingiu os jovens.

As vítimas, dois rapazes de 14 anos e uma jovem de 16, foram socorridas pelo Corpo de Bombeiros. Um dos adolescentes teve que amputar o pé.

A juíza Maria Augusta Diniz, da 3ª Vara Criminal do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT), entendeu não haver elementos indicando que a liberdade do motorista “causaria alguma perturbação à ordem pública”.

Portela foi indiciado por tentativa de homicídio com dolo eventual, quando se assume o risco de matar. Em 2017, ele foi preso por embriaguez ao volante após se envolver em outro acidente.

Justiça

Mãe de um dos adolescentes feridos e tia do jovem que teve que amputar o pé, a vendedora Patrícia Rodrigues Macedo, 40 anos, afirma que a família espera por justiça. “Ele tem que pagar pelo crime que cometeu. Eram três crianças conversando na calçada, perto de casa”, lamentou.

“Meu filho está bem, recebeu alta. Mas meu sobrinho perdeu um pé e corre o risco de também ter o outro amputado. Será feita uma cirurgia de reconstrução para tentar evitar isso. Ele acordou, mas não contamos. Ele ainda não sabe que vai ter sequelas pra sempre”, disse Patrícia.

Sem condições de comprar uma cadeira de rodas para o adolescente, a família faz campanha nas redes sociais. “Estamos buscando ajuda. Não temos condições nem de pagar as passagens e a alimentação. Não sabemos quanto tempo isso vai durar”, contou.

Para ajudar, é só entrar em contato com Patrícia pelo telefone (61) 98608-6710.

Fonte: Metropoles.com