Escolas compartilhadas: “Vou implantar. Democracia foi quando me elegeram governador com mais de 1 milhão de votos” (Ibaneis Rocha)

0
375
Foto: Reprodução

Postado por Poliglota…

Deu no Metrópoles:

O governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), decidiu, neste domingo (18/08/2019), que vai implementar a gestão compartilhada com a Polícia Militar nas cinco escolas que promoveram, no sábado (17/08/2019), eleição para aprovar ou não a adesão ao novo modelo. Das unidades, três optaram pela mudança (CEF 1 do Núcleo Bandeirante, CED 1 do Itapoã e CEF 19 de Taguatinga) e duas rejeitaram (CEF 407 de Samambaia e Gisno, na Asa Norte).

A despeito do resultado, Ibaneis anunciou ao Metrópoles que vai aplicar a gestão compartilhada de todo jeito. “Fizemos os estudos, todos os indicadores demonstram que o novo modelo vai melhorar a condição das escolas. Por isso, vou implementar a medida”, disse o governador. Sobre o fato de ignorar o resultado, o emedebista afirmou: “Na legislação, observamos que a votação tem efeito apenas consultivo e não vinculante. Nossa área jurídica já está preparando os pareceres que vão amparar a implementação”.

Comento

Como bem disse o governador, o caráter da votação é apenas consultivo. Trata-se de uma consulta que o governo faz para conhecer a opinião dos alunos, pais e professores, ficando a cargo do chefe do Executivo local a decisão de implementar ou não a gestão compartilhada.

A adoção da gestão compartilhada é o maior acerto do governo Ibaneis na área educacional até o momento. Obviamente que não resolve questões relevantes como o aumento salarial dos professores, mas ataca de frente dois graves problemas nas escolas brasilienses: a falta de segurança e de educação cívica.

Os insatisfeitos são os mesmos personagens de sempre: Sindicato dos Professores (SINPRO-DF), deputados da esquerda e membros de outras entidades infestadas pelo petismo, que por 14 anos trabalhou duro para doutrinar as escolas e universidades.

Com a medida, Ibaneis mostra mais uma vez que tem pulso firme para tomar medidas que são consideradas “impopulares” por aqueles que pensam que ainda estamos na era Lula/Dilma e Agnelo Queiroz.

Fonte: Metropoles /comentários Blog do Fred Lima