Homem que matou cadeirante em assalto a ônibus está preso

0
149
Kleilson Sales Araújo foi preso por policiais militares em uma casa em Brazlândia (foto: Divulgação: PMDF)

Polícia Militar prendeu o acusado de matar o cadeirante Marcillio Pereira da Silva Neto, 57 anos, durante assalto a ônibus. O acusado é Kleilson Sales Araújo, 37. Ele era foragido do sistema penitenciário

Postado por Poliglota…

O homem acusado de ter matado o cadeirante Marcilio Pereira da Silva Neto, 57 anos, no assalto a ônibus foi preso pela Polícia Militar. A informação foi confirmada pelo delegado Hudson Maldonado, chefe da 13ª Delegacia de Polícia (Sobradinho 1), que é o responsável pela investigação. O acusado é Kleilson Sales Araújo, 37, foragido do sistema penitenciário. O crime aconteceu na manhã de terça-feira (29/10), na BR-020, próximo a Sobradinho. Ele foi preso em Brazlândia e está sendo levado para a 24ª Delegacia de Polícia (Setor O — Ceilândia).

Kleilson Sales Araújo, 37 anos, é acusado de matar um cadeirante durante assalto a ônibus no DF(foto: Divulgação)

O acusado estava escondido em uma casa, em Brazlândia. Policiais militares prenderam Kleilson por meio do mandado de prisão preventiva expedido pela Justiça na quarta-feira (30). Investigadores da 13ª DP trabalham com a hipótese de que Kleilson teria recebido ajuda de um segundo homem, morador de Sobradinho 1. Kleilson e o suspeito cumpriam pena no regime semiaberto no Centro de Progressão Penitenciária (CPP). Agora, apenas o colega do criminoso é considerado foragido do sistema.

Segundo a Polícia Civil, Marcilio reagiu ao assalto, segurando as pernas do assaltante. O criminoso deu um tiro para o alto e, depois, no peito da vítima. Ele foi enterrado em Planaltina de Goiás, numa cerimônia que reuniu cerca de 50 pessoas. O Frei Rogério Soares, da Paróquia Sagrado Coração de Jesus e Nossa Senhora das Mercês fez o segunte apelo: “Marcilio era um anjo entre nós. Um exemplo de católico devoto, apaixonado pela palavra de Deus. Esperamos que a morte dele sirva de exemplo às autoridades, para que elas olhem com cuidado pela nossa segurança.”

Fonte: CB