Não está proibida a montagem de barracas na esplanada?

1651

Informações chegada ao Radar dão conta de que um grupo ligado ao MST montou barracas neste domingo (10), em plena área proibida na Esplanada dos Ministérios. A proibição foi imposta pela Secretaria da Segurança Pública e da Paz Social do Distrito Federal e começou a valer a partir de sexta-feira (8). A medida visa evitar conflitos entre os que não querem o impeachment e os que são a favor da abertura de processo de afastamento da presidente Dilma Rousseff.

Quem passou neste domingo pela Esplanada do Ministério próximo ao Teatro Nacional pode ver a movimentação de um grande grupo do MST montando barracas na área que havia sido proibido pela Secretaria de Segurança Pública. Além de barracas montadas havia vários banheiros químicos e logística de transportes.

Os acampamentos de movimentos sociais ou outros grupos que, por vezes, ocupam a Esplanada dos Ministérios, em Brasília, segundo a Secretaria de Segurança não seriam permitidos no local e nos arredores até o dia da votação do pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff pela Câmara dos Deputados. (Veja matéria G1)

Em entrevista a imprensa a secretaria de Segurança, Márcia de Alencar Araújo afirmou que a medida era necessária para “garantir o adequado e suficiente desempenho do plano de segurança pública que será adotado para assegurar o livre direito à manifestação de grupos de diferentes matizes políticas durante o processo de votação”.

A montagem de barracas por integrantes do MST neste domingo deixa claro que o Governo de Rollemberg está negligenciando a sua própria medida de segurança que ele diz ter adotado para evitar conflitos. O que é isso, companheiro?

Aparato sendo preparado para a montagem das barracas
Aparato sendo preparado para a montagem das barracas

Da Redação Radar

LEI MAIS:

PARA SALVAR DILMA: ROLLEMBERG TENTA, MAS NÃO CONSEGUE MUDAR A DATA DA VOTAÇÃO DO IMPEACHMENT MARCADA PARA DOMINGO (17)

“EXÉRCITO” DE STÉDILE, MESMO SEM COMUNICAR, AMEAÇA OCUPAR A FRENTE DO CONGRESSO DOIS DIAS ANTES DA VOTAÇÃO DO IMPEACHMENT