Policiais militares e agentes do Detran se agridem em cerimônia da tocha olímpica

1
2559

Enquanto a tocha olímpica, símbolo da amizade e da integração entre os povos, era transportada pela Esplanada dos Ministérios, servidores da Segurança Pública do DF protagonizaram um verdadeiro cabo de guerra.

Numa briga pela sinalização do tráfego em frente ao Museu da República, policiais militares e agentes do Detran partiram para a agressão física.

O caso foi registrado na 5ª Delegacia de Polícia e está sendo investigado como lesão e abuso de autoridade.

No embate, segundo o relato das testemunhas, houve soco, xingamentos, empurrões, imobilizações e intimidação. O que, de fato, ocorreu, apenas uma minuciosa investigação poderá apontar.

Soco na cara

No relato à Polícia Civil, a major Cíntia Queiroz da Silva, da Polícia Militar, contou que acompanhava a passagem da tocha olímpica, quando constatou uma falha no controle do tráfego.

Temendo pela segurança da população, a oficial abordou a equipe do Detran e teria sido tratada com desdém. Em seguida, um agente de trânsito teria lhe agredido com um forte soco na boca. Em seguida, ela deu voz de prisão ao agente. O relato foi confirmado por outros policiais militares que a acompanhavam.

Cotoveladas e armas

Os agentes do Detran contaram uma história bem diferente.

Eles disseram que a major Cíntia os abordou com agressividade e não se identificou como policial militar.

Pelo depoimento prestado na noite de terça-feira, a PM foi rude e chamou a equipe de “vagabundos”. Depois, passou a filmá-los.

A agente Carolina Guerreiro Oliveira virou as costas e foi agredida com um empurrão, jogada no chão e golpeada com várias cotoveladas na face.

Policiais militares que acompanhavam a major teriam sacado a arma para intimidar os colegas da segurança pública.

Guerra corporativa

A crise entre policiais militares e agentes do Detran repercutiu muito nos bastidores.

O receio entre representantes das duas corporações é que o caso deflagre um embate nas ruas, em defesa dos colegas, durante o trabalho de policiamento.

Fonte: Correio Braziliense – Foto internet

Comento:

Primeiro que não podemos confundir órgãos de Segurança Pública. O DETRAN é um ÓRGÃO AUTÁRQUICO e a PMDF, CBMDF e PCDF órgãos pertencentes à estrutura de Segurança Pública da capital. Porém, cada um tem suas atribuições regimentais.

Na verdade essa falta de definição no cumprimento de suas atribuições é que tem causado embates desnecessários e exposições, aliado à uma visível falta de comando de um governo. Se tivéssemos um GOVERNADOR e um SECRETÁRIO DE SEGURANÇA com pulso e autoridade, essa palhaçada já teria se encerrado há muito tempo dentro do DF. É PCDF X PMDF X DETRAN e por aí a fora.

Uma sugestão? Simples…

O Governador (?) reúna os comandantes e diretores das forças de segurança, mais o diretor do DETRAN, sem assessoria, sem imprensa, sem puxa-sacos contumazes e DETERMINE o fim dessa guerra idiota que só traz desgastes, exposições desnecessárias e VERGONHA para a capital. Feito isso, essas autoridades se encarreguem de retransmitir a ORDEM a seus subordinados e ponto final. Em não se cumprindo o determinado pelo governador e, consequentemente, a ordem dada pelos comandantes e diretores, a cada episódio ocorrido EXONERA-SE o comandante e/ou diretor dos órgãos envolvidos, bem como, cabendo efeito, os servidores também envolvidos. Simples assim!

Por Poliglota…

1 COMENTÁRIO