Reunião de PMs e BMs para discutir proposta salarial para as classes

0
2482

Por Poliglota com informações do blog do Halk

Com  o conhecimento do futuro Secretário de Segurança Publica, Anderson Torres, foi realizada no Quartel Central do Corpo de Bombeiros Militar do DF, a primeira reunião de alinhamento de proposta salarial única    das forças militares do GDF.

Estiveram presentes os atuais Comandantes  da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros, Coronéis Souza Lima e Roberto e os futuros Comandantes das duas forças Coronéis Sheyla e Emilson e os respectivos corpos técnicos. No entanto, nas redes sociais de policiais e bombeiros militares um questionamento chamou a atenção: Porque na foto divulgada hoje para o início das discussões não havia nenhuma Praça ou representante de associações?

Em ato contínuo, em momento posterior, o Futuro Secretário afiançou seu esforço no sentido reunir as três forças com o novo Secretário de Fazenda para caminharmos irmanados nesse momento. Demonstrando que estamos ombreados em busca de uma proposta de aumento salarial em paridade com a da PCDF.  A ASSOFBM apoia tais iniciativas, pois demonstram a vontade dos nossos gestores em buscar melhorias salariais.

Um texto divulgado nas redes sociais (Leia abaixo) e, supostamente, do Cel Sérgio (PMDF) traz algumas informações de como estão sendo as tratativas sobre os aumentos nos bastidores.

Senhores(as),

A título de conhecimento, e com o objetivo de mantê-los informados acerca dos movimentos que estão sendo feitos, além de afastar especulações infundadas que estão circulando pelas redes sociais (inclusive com tabelas), informo que as negociações para o nosso reajuste seguem andando.

A cerca de duas semanas atrás, nós (PMDF), na figura da nossa próxima Cmt-Geral, juntamente com o futuro Cmt do CBMDF, estivemos com o próximo secretário de Fazenda para firmar nossa posição de que não aceitariamos receber nada menos do que a PCDF, e nas mesmas condições (conforme já havia comunicado aos senhores).

Hoje (4/dez) estivemos no Comando Geral do CBMDF reunidos para dar continuidade aos trabalhos, onde foi apresentada a planilha mais viável.

Participaram da reunião os atuais e os futuros Cmts-Gerais, SubCmts, e CHEM da PMDF e do CBMDF, bem como outros oficiais de ambas as Corporações.

Uma vez alinhados com o CBMDF, acreditamos que teremos muito mais força junto ao governo.

Provavelmente, esse aumento será concedido por meio de Medida Provisória.

Tão logo tenha mais informações, repasso aos senhores.

Por outro lado

Texto PCDF divulgado nas redes sociais acerca de matéria produzida por esse jornalista (Poliglota). Leia Aqui

Chega a ser patético o que algumas lideranças dos militares do Distrito Federal vêm fazendo nos últimos anos, na busca de melhorias salariais para suas respectivas tropas! E nesses tiros cruzados, estão os Policiais Civis! 

Já não bastasse às ameaças, do ainda deputado, Coronel da PMDF, Alberto Fraga (DEM-DF), que terá mandato eletivo até o final deste ano, quando foi a tribunal da Câmara Federal, chamar o governador eleito Ibaneis Rocha (MDB-DF), do Distrito Federal, de “jumento”, por estar fazendo uma renovação na máquina pública, excluindo a Casa Militar do governo do Distrito Federal – que servia tão somente para garantia à segurança particular do governado – transformando-a em Gabinete de Segurança Institucional, com atribuições além daquelas de tão somente prestar atendimento ao governador! Naquela ocasião, o deputado Fraga chegou ameaçar o governador dizendo que os oficiais parariam se o governador não mudasse de ideia!

Agora vem o “Poliglota” – que é policial militar – ameaçar, pregando o terror, com a conhecida manobra reivindicatória chamada de “operação tartaruga”, caso o governador não estenda aos militares, as mesmas reivindicações requeridas pelos Policiais Civis, como se ambas às carreiras policiais fossem regidas pelos mesmos regimes jurídicos, ou seja, pelas mesmas legislações de regência!

Ao que parece, estas lideranças militares não conseguem caminhar sozinhas, buscando seus direitos sem que coloque pregos na via daqueles que, por si só, desenvolve suas habilidades para pleitear seus benefícios!

Apesar de estarem no mesmo órgão de segurança pública,  deve-se observar a legislação vigente a cada uma dessas Instituições! A paridade dos Policiais Civis é com os Policiais Federais, pois são regidos pelo mesmo estatuto jurídico, a lei 4.878/65, ao passo que os militares têm o seu próprio, ou seja, a lei 10. 486/2002, que ali instituiu uma série de benefícios aos militares, tais como: auxílio moradia, auxílio fardamento, serviço, voluntário, taxa mínima IRPF, pagamento reduzido do INSS, e plano de saúde, todos custeados pelo estado! E ainda, consta da referida lei, que é devido aos militares a Licença Especial – que se não gozada no período laboral – será transformada em pecúnia quando a aposentadoria (reforma)! Benefícios estes que não se estende aos Policiais Civis! E nem por isso, os Policiais Civis fazem barreiras, colocando “cama de faquir” contra os militares!

Estas lideranças deveriam se debruçar na legislação, investigar e verificar que, dado a paridade da Polícia Civil com a Polícia Federal, o último reajuste de 15,76%, dividido em três parcelas, os delegados da Polícia Federal e da Polícia Civil do DF, de 3ª Classe, receberam 25%, de reajustes, contudo, este percentual não foi repassado a nenhum oficial militar, o que justifica, por si só, os fundamentos da paridade salarial PCDF/PF!

Já está mais do que na hora destas lideranças buscarem o senso comum, a partir de experiências, vivências e observar a legislação de regência! 

Por: Francisco D´Sousa, Agente de Polícia Civil

Nota do blog ao nobre agente:

Patético sim a interpretação de um mero Policial Civil que, em tese, deveria estar preocupado em produzir para a sociedade o que ela lhe retribui com salário para, aí sim, reivindicar alguma coisa.

A análise e colocação do texto foram meramente informativas, pois o “Policial Militar e JORNALISTA Poliglota” não dispõe de nenhum poder para ameaçar uma autoridade constituída como é o caso de nosso futuro governador Ibaneis Rocha, eleito democraticamente e capaz de cumprir suas promessas de campanha.

Além do mais, será que esse dito agente da lei sabe o que realmente seja liderança? Passaram quatro anos dando murros em ponta de facas com reivindicações infrutíferas e agora surge um “desavisado” querendo tomar frente de uma função que não lhe pertence? Fecharam o SINPOL?

Talvez se fizesse o seu verdadeiro papel atrás de um balcão não haveria necessidade de ir para as redes sociais tentar justificar o injustificável e exigir do governo valorização que não merece. Quer auxílio moradia, auxílio fardamento, serviço, voluntário, taxa mínima IRPF, pagamento reduzido do INSS, e plano de saúde (?), todos custeados pelo estado, que venha vestir a farda e pensasse bem antes de optar pelo subsídio.

A frase “Juntos somos fortes” deveria ser bem observada por determinadas pessoas. Por isso, ao se isolarem para emitir estapafúrdias opiniões acabam se passando como tolos!