Tudo pronto para começar o ano letivo na rede de ensino

123
Fotos: Renato Araújo / Agência Brasília

A recepção aos estudantes está sendo planejada pelas 14 regionais de ensino e por cada uma das 678 unidades escolares em funcionamento

AGÊNCIA BRASÍLIA *

Na próxima segunda-feira (10), as escolas da rede pública de ensino abrem as portas para receber seus 460 mil estudantes. Faltando uma semana para o fim das férias, a Secretaria de Educação faz os últimos preparativos para que esteja tudo pronto. Uma equipe técnica trabalha há mais de 40 dias no Escritório de Situação criado pelo secretário de Educação, João Pedro Ferraz, para que tudo funcione bem.

A recepção aos estudantes está sendo planejada também pelas 14 regionais de ensino e por cada uma das 678 unidades escolares em funcionamento, que elaboram as atividades de boas-vindas conforme a realidade das etapas e modalidades de ensino da Educação Básica – educação infantil ao ensino médio e da Educação de Jovens e Adultos (EJA).

Cinco das 683 escolas da rede estão fechadas, quatro delas há mais de dois anos. Uma delas será entregue em abril, o CEF 01 da Vila Planalto. O edital de licitação para reconstrução da EC 52 de Taguatinga foi publicado na última semana. Estão em fase final de análise os editais de licitação para reconstruir o CEM 10 e a EC 59 de Ceilândia e ainda o CAIC Castelo Branco do Gama.

O trabalho é intenso para que tudo fique pronto até o primeiro dia de aula. Até o final desta semana o coordenador regional de Ceilândia, Marcos Antônio de Sousa, terminará as visitas às 97 escolas da regional. Ele assegura que 40% delas estão em ótimo estado; 30%, bom; 20%, regular; e somente 10% em estado ruim. O foco de Marcos são as escolas que estão nestas últimas duas categorias.

“Neste momento, estamos mergulhados naquelas escolas em estado regular e ruim”, disse. O esforço está dirigido para que estas unidades tenham subido de categoria em 60 dias. As intervenções para melhorias serão realizadas em duas etapas: imediatamente, para receber os estudantes no primeiro dia de aula, são feitos os serviços de manutenção, roçagem e poda de árvores, reparos em telhados, pisos e banheiros, nos sistemas elétrico e hidráulico; em médio prazo, cerca de 60 dias, são solucionados os problemas estruturais.

O coordenador listou o CAIC Bernardo Sayão entre as unidades em estado ruim que vão mudar de status nos próximos dois meses.“Evidentemente estas escolas não estarão como gostaríamos para iniciar o ano, mas com certeza estarão em condições de receber os alunos neste primeiro momento, e de recebê-los com mais conforto num segundo momento”, afirma o coordenador regional de ensino.

Em Taguatinga, o coordenador regional Juscelino de Carvalho está acelerando a arrumação do prédio recém-alugado pela Secretaria de Educação para os alunos da EC 52. A escola teve as atividades suspensas em 2019, após decisão judicial que determinou a sua reconstrução. Os 400 estudantes foram encaminhados a escolas próximas no ano passado, mas, agora, voltam a estudar juntos em um mesmo prédio.

Nossa rede

Marcos e Juscelino fazem parte de uma grande operação em curso para o sucesso do ano letivo 2020. Todos estão empenhados na Secretaria. Como pode ser visto em Nossa Rede, os números com os quais a secretaria lida é superlativa. Se fosse um município, a educação seria pouco menor que Cuiabá, a 35ª cidade mais habitada do Brasil, com mais de 600 mil moradores, e pouco maior do que Juiz de Fora, a 36ª, com cerca de 490 mil pessoas. A rede pública tem 538.659 “habitantes”, somados estudantes (maioria da população), professores, servidores e aposentados.

Na próxima segunda-feira (10), tudo vai estar pronto para esta cidade, que chamamos Cidade da Educação, retomar suas atividades com o que é necessário para, neste primeiro dia de aula, por exemplo, transportar 57.811 estudantes em 844 ônibus, que vão rodar 154 mil quilômetros (sim, só neste dia), o equivalente a 132 viagens Brasília-Rio de Janeiro, 1.716 horas gastas nos percursos necessários ao conforto dos estudantes. Além disso, quase 400 mil alunos voltam a comer nas escolas nesta segunda-feira, consumindo 489.353 de refeições, em média, por dia.

A volta às aulas movimenta o Distrito Federal e também traz muitos benefícios indiretos. Um deles é para os pequenos produtores agrícolas do DF. A parceria com a Secretaria de Educação ganhou força nos últimos anos e vem sendo ampliada. Em 2017, eram adquiridos 23 diferentes tipos de alimentos da agricultura familiar. Agora já são 30 diferentes tipos. Quase mil agricultores familiares locais são beneficiados, impactando diretamente a melhoria da qualidade de vida de 3.785 pessoas.

Prioridade

“Estamos atuando em todas as frentes ao mesmo tempo para nos voltarmos, cada vez mais, para o processo de ensino-aprendizagem”, explicou o secretário João Pedro Ferraz, acrescentando: “Este é o objetivo de tudo o que fazemos. Se zelamos pelo conforto das instalações, pela melhoria do transporte ou da merenda, o principal significado disso é permitir aos nossos alunos que se concentrem no que efetivamente vai modificar suas vidas: o aprendizado”.

Para focar cada vez mais no que considera a missão mais nobre da secretaria, Ferraz implantou uma nova gestão, iniciando a transferência de responsabilidades por áreas que não têm vínculos diretos com o processo de ensino-aprendizagem para áreas afins, como o transporte escolar para a TCB, que ainda está em curso, mas deve ocorrer este ano. Outra mudança será a terceirização da merenda escolar, em fase de estudo, mas prevista para 2020 também.

Semana pedagógica

Neste sentido, este ano, a tradicional Semana Pedagógica foi precedida por uma preparação de diretores e vice-diretores para o início do ano letivo, realizada na semana passada. Cerca de 900 gestores participaram de oficinas e palestras pensadas no currículo da educação, na formação profissional e em sistemas de avaliação, entre outros.

Tudo isso entra como suporte pedagógico para o alcance dos cinco principais objetivos da educação na rede do DF: alfabetização eficaz até o final do BIA (Bloco Inicial de Alfabetização – dois primeiros anos, dos quais todas as crianças devem sair plenamente alfabetizadas); distorção idade-série (estudantes atrasados há mais de dois anos); aprendizagens anos finais; novo ensino médio e condições de aprendizagem – professores – formação e motivação.

A Semana Pedagógica 2020 ocorre simultaneamente em cada uma das unidades escolares, de 3 a 7 de fevereiro, com o objetivo de reunir os profissionais da educação para discussões, troca de informações e orientações a respeito do ano letivo que se inicia.

Carência zero

O início do ano letivo é marcado por uma ótima notícia. Desde o primeiro dia do ano letivo, o programa Educação Sem Carência vai colocar professores em todas as salas de aula. De imediato, a Secretaria deve convocar cerca de quatro mil professores substitutos para suprir as vagas abertas em substituição aos professores efetivos que exercem atividades de diretores, vices, coordenadores e supervisores pedagógicos.

Além disso, no decorrer do ano, os professores substitutos também são chamados para cobrir vagas abertas pelos efetivos em eventuais afastamentos legais, como licenças médicas, paternidade e maternidade, afastamento para estudos, entre outros previstas em lei.

* Com informações da Secretaria de Educação